Revista ABTPé 5.2 - Ano: 2011

Artigos

Luxação anterior do tendão do músculo tibial posterior: relato de caso

Anterior dislocation of posterior tibial tendon: a case report

Carlos Alfredo Lobo Jasmin

Abstract:

In contrast to the posterior tibial tendon injuries, its dislocations are considered extremely rare. Consequently, the diagnosis of this condition is not usually established, and such fact delays the beginning of the treatment. We present a rare case, which may have an origin that is not related to trauma. A 29-year-old, male, patient appeared at our office stating that pain in his right ankle did not improve with treatments that were used in the past 12 months. He denied local trauma or sprain of the ankle. He reported increased volume of the medial malleolus and pain on palpation. He also referred not being able to remain supported on the tip of the affected foot, and after that start playing football with friends he was forced to interrupt the activity. He underwent surgical reduction followed by immobilization on short leg cast for 30 days. After removal of the immobilization, the patient underwent physical therapy for 30 days. After the physical therapy, he was able to support full weight on his foot and neutral and full plantar flexion (tip toes), without pain. Patient returned to recreational sport (soccer) with no complaints, 90 days after the end of the physical therapy.

Keywords:Tendons/surgery; Dislocations/diagnosis; Dislocations/therapy; Case reports

Resumo:

Em contraste com as lesões do tendão tibial posterior, suas luxações são consideradas extremamente raras. Por consequência, o diagnóstico desta afecção ainda não é facilmente estabelecido, o que retarda o início do tratamento. Apresenta um caso, que pode ter origem não relacionada ao trauma. Paciente de 29 anos, do sexo masculino, referiu dores no tornozelo direito que não melhoraram com os tratamentos que foram empregados nos últimos 12 meses. Não referia trauma local ou torção do tornozelo. Informou aumento de volume do maléolo medial e dores à palpação, além de não conseguir manter-se apoiado na ponta do pé afetado e que, após começar a jogar futebol, era obrigado a interromper a atividade. Foi submetido a tratamento cirúrgico com relocação do tendão, seguida de imobilização com gesso cruropodálico por 30 dias. Após a retirada, o paciente foi submetido à fisioterapia por mais 30 dias. Iniciou o suporte do peso do corpo sobre o pé direito e na ponta do pé, sem queixar de dores ou incapacidade. Retornou a prática do futebol, sem queixas, em 3 meses.

Descritores:Tendões/cirurgia; Luxações/diagnóstico; Luxações/terapia; Relatos de casos

[ baixe o PDF ]

Correção dinâmica da supinação do antepé na disfunção do tendão do músculo tibial posterior estágio II A 1: comunicação breve

Dynamic correction for forefoot supination in stage II A 1 adult flatfoot: brief communication

José Antônio Veiga Sanhudo

Abstract:

Objective: Posterior tibial tendon dysfunction is the main cause of flatfoot in adults. The treatment is based, among others factors, on the gravity and flexibility of the injury. The recommended treatment for patients in stage II A 1, supple hind foot valgus and supple forefoot supination, has not been established yet. The objective was to preliminary present an alternative technique for the dynamical correction of the forefoot supination for patients with posterior tibial tendon dysfunction in stage II A 1. Methods: A peroneus brevis to peroneus longus tenodesis was performed in nine patients with stage IIA I posterior tibial tendon dysfunction, who had undergone surgery between January 2007 and July 2010. Results: Forefoot supination correction was observed in all nine cases and no patient underwent reintervention. Conclusion: The technique represents a good alternative for treatment of forefoot supination in patients in stage II A 1 posterior tibial tendon dysfunction.

Keywords:Foot/physiopathology; Foot/surgery; Tendons/physiopathology; Tendons/surgery; Tendon transfer.

Resumo:

Objetivo: A disfunção do tendão tibial posterior é a principal causa do pé plano adquirido no adulto. O tratamento é norteado, entre outros fatores, pela gravidade e flexibilidade da deformidade. O tratamento recomendado para pacientes com deformidade flexível em valgo do retropé e supinação do antepé (estágio II A 1) não está ainda estabelecido. O objetivo foi apresentar preliminarmente uma técnica alternativa para correção dinâmica da supinação do antepé no estágio II A 1 da disfunção do tendão tibial posterior. Métodos: A tenodese do fibular curto para o longo foi empregada em nove pacientes com disfunção do tendão tibial posterior, no estágio II A 1, operados de janeiro de 2007 a julho de 2010. Resultados: Nos nove pacientes operados, houve correção da supinação do antepé sem necessidade de reintervenção em nenhum caso. Conclusão: A técnica representa uma boa alternativa para o tratamento da supinação do antepé nos pacientes com disfunção do tendão tibial posterior no estágio II A 1.

Descritores:Pé/fisiopatologia; Pé/cirurgia; Tendões/fisiopatologia; Tendões/cirurgia; Transferência de tendão.

[ baixe o PDF ]

Comportamento da dor no pós-operatório do hálux valgo utilizando técnicas convencionais, minimamente invasivas e percutâneas

Postoperative pain behavior in hallux valgus using conventional, minimally invasive, and percutaneous techniques

Luiz Carlos Ribeiro Lara, Delmo João Carlos Montesi Neto, Rodrigo Rossi Guerra, Ricardo da Fonseca de Souza Marques, Luciana Raineri Bicudo

Abstract:

Objective: To evaluate the intensity of pain in postoperative hallux valgus, using three different groups of surgical techniques. Methods: We analyzed the intensity of postoperative pain in 80 feet of 69 patients with hallux valgus. The mean age of the patients at surgery was 52 years-old. We performed conventional surgeries in 34 feet, minimally invasive in 16 and percutaneous in 30. We evaluated the intensity of pain preoperatively and at intervals after operation (1st, 7th, 30th, and 90th days), using a visual analog scale of pain. Results: The pain was reported as gradually decreasing over time after surgery, being very close to no pain on the 90th day. Percutaneous surgery had less pain at all evaluations compared to conventional surgeries (the 1st, 7th, 30th, and 90th days). When compared to the minimally invasive technique, the pain was lower on the 30th and 90th days. There was no significant difference in pain between conventional and minimally invasive techniques. Percutaneous surgery showed the best profile of pain reduction. Conclusions: The percutaneous surgery for the correction of hallux valgus showed less intensity of pain when compared to conventional surgery in all postoperative evaluations. The percutaneous technique showed less intensity of pain when compared to the minimally invasive surgery group, in the evaluations on the 30th and 90th postoperative days

Keywords:Hallux valgus/surgery; Foot deformities/surgery; Pain; Surgical procedures, operative/methods

Resumo:

Objetivo: Avaliar a intensidade da dor no pós-operatório do hálux valgo, utilizando três diferentes grupos de técnicas cirúrgicas. Métodos: Foi analisada a intensidade da dor no pós-operatório de 80 pés, de 69 pacientes, portadores de hálux valgo. A média de idade dos pacientes no momento da cirurgia foi de 52 anos. Foram realizadas cirurgias convencionais, em 34 pés; minimamente invasivas, em 16; e percutânea, em 30. Avaliou-se a intensidade da dor no pré-operatório e no 1º, 7º, 30º e 90º dias do pós-operatório, por meio da escala visual analógica da dor. Resultados: A dor relatada foi progressivamente diminuindo conforme o passar do tempo do pós-operatório, estando muito próxima da ausência no 90º dia em todas as técnicas. A cirurgia percutânea apresentou menor intensidade de dor em todas as avaliações, quando comparada com as convencionais (1º, 7º, 30º e 90º dias), e quando comparada com a técnica minimamente invasiva foi menor no 30º e 90º dias. Não houve diferença da dor quando se comparou as técnicas convencionais e a minimamente invasiva. A cirurgia percutânea foi a que apresentou o melhor perfil de redução da dor. Conclusões: A cirurgia percutânea para correção do hálux valgo apresentou menor intensidade da dor quando comparada à convencional em todas as avaliações do pós-operatório. A técnica percutânea apresentou menor intensidade da dor quando comparada com o grupo de cirurgia minimamente invasiva, nas avaliações do 30º e 90º dias de pós-operatório.

Descritores:Hallux valgus/cirurgia; Deformidades do pé/cirurgia; Dor; Procedimentos cirúrgicos operatórios/métodos

[ baixe o PDF ]

Dor em pós-operatório de cirurgias de pé e tornozelo: um estudo prospectivo

Pain in foot and ankle surgery: a prospective study

Fernando Araujo Silva Lopes, Roberto Zambelli Almeida Pinto, Philipe Eduardo Carvalho Maia, Rodrigo Simões Castilho, Renato Hebert Guimarães Silva

Abstract:

Introduction: Pain, a predominant symptom, is associated with the trauma and diseases of the musculoskeletal system. The effective prevention and control of postoperative pain may accelerate the functional rehabilitation of patients. Literature is still emerging in research and evaluation of postoperative pain. Objective: To prospectively characterize the pain experienced in the pre and postoperative period for patients undergoing surgical treatment of foot and ankle disorders. Methods: We evaluated prospectively 160 patients who underwent surgical treatment of foot and ankle disorders in the Department of Orthopedics and Traumatology of Mater Dei Hospital in the period from September, 2009 and January, 2010, about the painful experience presented by them during the treatment of specific lesions. Pain was measured by the visual analog scale and McGill questionnaire both pre and postoperatively. Results: We evaluated the results of 63 patients, mean age was 38 years-old (18 to 69 years-old), 60% suffered from acute conditions and 40% of chronic diseases. There was no significant difference in pain presented preoperatively in patients with acute or chronic diseases. However, patients with acute conditions experienced more pain in the first postoperative day compared to those with chronic diseases (visual analog scale 2.33x1.55 – p<0>Conclusion: Patients with acute conditions experience more pain in the first postoperative day. The standardization of anesthetic and analgesic procedure was effective in controlling pain.

Keywords:Pain, postoperative; Pain, measurement/methods; Foot/surgery; Ankle/surgery

Resumo:

Introdução: A dor, um sintoma predominante, associa-se ao trauma e às doenças do sistema musculoesquelético. A prevenção e o controle eficientes da dor no pós-operatório podem acelerar a reabilitação funcional dos pacientes. A literatura ainda mostra-se incipiente na investigação e na avaliação de dor em pós-operatório. Objetivo: Caracterizar prospectivamente a dor experimentada no pré- e pós-operatório pelos pacientes submetidos a tratamento cirúrgico de afecções do pé e tornozelo. Métodos: Foram avaliados, prospectivamente, 160 pacientes submetidos a tratamento cirúrgico de afecções do pé e tornozelo no Serviço de Ortopedia e Traumatologia do Hospital Mater Dei, no período entre setembro de 2009 e janeiro de 2010, quanto à experiência dolorosa apresentada pelos mesmos durante o tratamento das lesões específicas. A dor foi quantificada por meio da escala visual analógica e do questionário McGill, tanto no pré- quanto no pós-operatório. Resultados: Foram avaliados os resultados de 63 pacientes, a média de idade foi de 38 anos (18 a 69 anos), 60% eram portadores de patologias agudas e 40% de patologias crônicas. Não houve diferença significativa da dor apresentada no pré-operatório entre os pacientes com patologias agudas ou crônicas. No entanto, os pacientes portadores de patologias agudas apresentaram maior dor no primeiro dia pós-operatório em relação àqueles portadores de patologias crônicas (escala visual analógica 2,33x1,55 – p<0>Conclusão: Os pacientes com patologias agudas experimentam mais dor no primeiro dia pós-operatório. A padronização do procedimento anestésico e analgésico mostrou-se eficaz no controle da dor.

Descritores:Dor pós-operatória; Medição da dor/métodos; Pé/cirurgia; Tornozelo/cirurgia

[ baixe o PDF ]

Instabilidade das articulações metatarsofalângicas e lesões das placas plantares: estudo clínico e morfológico

Metatarsophalangeal joint instability and plantar plate lesions: morphological and clinical study

Caio Nery, Michael J. Coughlin, Daniel Baumfeld, Tania Szjenfeld Mann

Abstract:

Objective: A lesser toe metatarsophalangeal instability with a crossover deformity is a commonly seen forefoot problem, usually in women greater than 50 years-old, and it is often in association with a bunion deformity. The plantar plate is the main static stabilizer of the metatarsophalangeal joints. Different authors have proposed classifications to define instability of the metatarsal phalangeal joints, but all describe only clinical progression of the deformity. The aim of this study was to present our clinical and anatomic observations on lesser metatarsophalangeal plantar plate lesions and to propose a new grading method Methods: From January 2009 to June 2010, we prospectively treated 28 patients (55 joints) with lesser metatarsophalangeal joint instability. All of them had initial complaints of acute forefoot pain with the subsequent development of deformity and instability of the metatarsophalangeal joints. All patients were clinically evaluated by images (plain radiographs and magnetic resonance imaging), and by metatarsophalangeal joint arthroscopy. Results: With these data, a direct correlation between the clinical staging and the anatomical grading for plantar plate dysfunction of each patient was determined (p<0>Conclusions: Our anatomic and clinical classification combines clinical findings and anatomical aspects of the plantar plate tears.

Keywords:Metatarsophalangeal joint/surgery; Joint instability/surgery; Metatarsal bones/surgery; Toes/abnormalities; Stabilization; Pain

Resumo:

Objetivo: A instabilidade das articulações metatarsofalângicas dos pequenos dedos com dedos sobrepostos é uma deformidade comum no antepé, especialmente em mulheres acima dos 50 anos de idade, frequentemente em associação com o hálux valgo. A placa plantar é o principal estabilizador estático das articulações metatarsofalângicas. Vários autores já propuseram sistemas de classificação para as deformidades das articulações metatarsofalângicas, mas todos descrevem apenas a progressão clínica das deformidades. O objetivo deste estudo é apresentar observações clínicas e anatômicas de pacientes portadores de lesões das placas plantares das articulações metatarsofalângicas dos pequenos dedos e propor um novo sistema de classificação e graduação. Métodos: No período de janeiro de 2009 a junho de 2010, foram tratadas prospectivamente 28 pacientes (55 articulações) com instabilidade articular metatarsofalângica. Os pacientes apresentaram queixas iniciais de dor aguda no antepé, com o desenvolvimento subsequente de deformidades e instabilidade das articulações metatarsofalângicas. Todos os pacientes foram avaliados clinicamente, por meio de imagens (raio X simples e ressonância magnética) e por artroscopia da articulação metatarsofalângica. Resultados: Com esse material, determinou-se a correlação direta entre os achados clínicos e anatômicos para a disfunção das placas plantares a cada um dos pacientes (p<0>Conclusões: O sistema de graduação das lesões das placas plantares apresentado combina de forma efetiva os achados clínicos e os anatômicos.

Descritores:Articulação metatarsofalângica/cirurgia; Instabilidade articular/cirurgia; Ossos do metatarso/cirurgia; Dedos do pé/anormalidades; Estabilização; Dor

[ baixe o PDF ]

Tratamento cirúrgico da tendinopatia do tendão calcâneo

Surgical treatment of tendinopathy achilles tendon

José Vicente Pansini, Juliano Guizzo

Abstract:

Introduction: Calcaneus tendinopathy has a slow, progressive, painful, and progressively limiting evolution to the patient. Many patients do not present a good outcome with the conservative treatment. Objectives: To evaluate the efficacy of the Achilles tendinopathy treatment with the reinforcement of the flexor hallucis longus tendon; to identify the profile of patients with tendinopathy; to identify complications and percentage of recurrence of symptoms; to compare pre- and post-operative AOFAS evaluations. Methods: Thirty-four patients, 22 men and 12 women, suffering from tendinopathy of the Achilles tendon were treated from January, 2007 to January, 2011, following the protocol established padroby
the authors with an average follow-up of 23.38 months. Results: All patients were satisfied and completely asymptomatic at 18 months postoperative. The final average AOFAS score was 95.08 points. Conclusion: The use of augmentation with flexor hallucis longus tendon is an effective treatment of the Achilles tendon tendinopathy. Patients were satisfied and returned to their full physical activities, prior to tendinopathy. Profile of patients with tendinopathy of the Achilles tendon in this sample was predominantly male, mean age of 52.08 years-old, nonprofessional sports man or sedentary, with retraction of ischiotibials (100%) and body mass index (94.11% of cases) above 25 kg/m2. The AOFAS score in the final postoperative evaluation (95.08 points) shows a significant difference when compared to the preoperative AOFAS score (60.14 points).

Keywords:Tendinopathy/surgery; Achilles tendon/pathology; Tendon transfer

Resumo:

Introdução: A tendinopatia do tendão calcâneo é de evolução lenta, progressivamente dolorosa e limitante para o paciente. Muitos pacientes não apresentam boa evolução com o tratamento conservador. Objetivos: Avaliar a eficiência do tratamento da tendinopatia do tendão calcâneo com reforço do tendão flexor longo do hálux; identificar o perfil do paciente portador da tendinopatia; identificar as complicações e o percentual de recidivas da sintomatologia; comparar avaliações AOFAS pré e pós-operatórias. Métodos: Trinta e quatro pacientes, 22 homens e 12 mulheres, portadores de tendinopatia do tendão calcâneo foram tratados de janeiro de 2007 a janeiro de 2011, seguindo o protocolo estabelecido pelos autores, com média de seguimento de 23,38 meses. Resultados: Os pacientes estavam satisfeitos e completamente assintomáticos aos 18 meses do pós-operatório. A média da pontuação AOFAS final foi de 95,08 pontos. Conclusão: O tratamento da tendinopatia do tendão calcâneo com reforço do tendão flexor longo do hálux é eficiente, apresenta baixo percentual de complicações e nenhuma recidiva da sintomatologia. O perfil do paciente portador da tendinopatia do tendão calcâneo nesta casuística foi predominantemente masculino, com idade média de 52,08 anos, esportista não-profissional ou sedentário, com retração de isquiotibiais (100%) e índice de massa corporal elevado (94,11% da casuística), acima de 25 kg/m2. A pontuação AOFAS na avaliação final (95,08 pontos) apresenta diferença significante quando comparada com a pré-operatória (60,14 pontos).

Descritores:Tendinopatia/cirurgia; Tendão do calcâneo/patologia; Transferência de tendão

[ baixe o PDF ]

Menu interno

Editor Chefe Revista ABTPé

 

 


Jorge Mitsuo Mizusaki

Busca Revista ABTPé